Entrevista ao pastor Pedro Figueiredo

09-11-2002 23:38

Estivémos a conversar com o Pr. Pedro Figueiredo (2002 - Assembleia de Deus em Aveiro), foi muito interessante descobrir qual o seu percurso como jovem obreiro e a paixão que ele tem pelos jovens.

BSTEEN - Há quanto tempo está no ministério a tempo integral?

PF - Há cerca de 5 anos

BSTEEN - E como chegou até aqui?

PF - Eu pertencia à igreja Assembleia de Deus de Lisboa (Campo de Ourique), onde passaram alguns pastores que muito estimo. O Pr. António Reis, deu um grande apoio quando nós apresentámos o nosso sentimento, a chamada que tínhamos da parte de Deus, e ele apoiou-nos da melhor forma, assim como o Ministério, e do Pastor Presidente, José Neves, com o qual estou hoje aqui em Aveiro.

Já servia a Deus na igreja, na área musical, de louvor, servia também como líder de jovens na área de Campo de Ourique. Fui então para o Instituto Bíblico onde estive 2 anos a formar-me.

BSTEEN - Qual o primeiro campo para onde foi trabalhar?

PF - O primeiro convite que tive foi para ir servir a Deus na ilha da Madeira, nomeadamente na àrea de Santana. Começámos um trabalho do zero, iniciámos um campo missionário e tivemos tremendas bençãos de Deus. Houve desafios, lutas, mas posso dizer que foi um lugar onde vimos a glória e poder de Deus manifestada na salvação de almas e saímos de lá com um bom grupinho. Iniciámos o trabalho com crianças, a Escola Dominical e realizámos vários grupos familiares.

Ao fim de cerca de 3 anos sentimos que Deus nos estava a levar até outro lugar e recebemos o convite da igreja de Aveiro.  Aceitámos o desafio e viemos até este lugar onde estamos envolvidos em várias actividades.

BSTEEN - E que actividades são essas?

PF - Estou responsável pelas congregações da área de Aveiro, pelo louvor e pelos jovens. Estamos ligados a projectos não só da Igreja como a nível das Beiras, fomos convidados para dirigir o louvor no Encontro Juvenil das Beiras. Estou também a leccionar Educação Moral e Religiosa Evangélica na escola Jaima Magalhães Lima, em Jeira, assim como a minha esposa.

BSTEEN - Quantos jovens é que a Assembleia de Deus de Aveiro tem?

PF - Cerca de 300 jovens

BSTEEN - Que tipo de actividades são feitas entre esses jovens?

PF - Temos a Escola Dominical, reuniões de jovens mensais e retiros juvenis. Há também um jornal que está a ser formado, a Turma D, e penso que estas sejam as áreas de maior destaque aqui na igreja.

Também temos o Café Convívio, onde temos uma equipa de jovens a dar apoio, cerca de 25-30 jovens, e temos visto frutos, jovens a deixar as drogas, já há alguns que estão envolvidos na igreja. Um deles já foi baptizado nas águas e está integrado totalmente na Igreja e é o que eu digo, nesta área o que me motiva mais é ver o milagre da Salvação, vidas transformadas e restauradas.

BSTEEN - Quando trabalha com os jovens o que é que o atrai mais?

PF - A mim atrai-me o pensar, a maneira deles pensarem nas coisas, a própria idade deles porque é uma idade onde eles levantam muitas perguntas, colocam muitas questões, e onde os maiores desafios são lançados. Ao se lançarem os desafios também surgem os grandes problemas e dificuldades para alcançarem esses desafios, conquistar essas metas. Mas é uma idade que também pode ser modelada, pode ser ajudada, para que possam servir de exemplo para outros, ou seja, uma idade onde eles estão a aprender grandes valores para poderem também levar esses valores aos outros.

BSTEEN - Existe alguma experiência que tenha sido marcante neste trabalho?

PF - Nas áreas dos retiros, em especial o último retiro que tivemos, onde vimos a benção e a glória de Deus ser manifestada. Tivemos ali um bom grupo de jovens (cerca de 150 jovens), e também com alguns adultos, no último dia, e vimos vários jovens serem baptizados com o Espírito Santo, a assumirem um compromisso diante de Deus para o servir melhor, para o servir na Sua obra. A atitude, o sentimento e o envolvimento deles marcou não só o retiro como a minha vida.

Na Madeira também tínhamos um grupo de jovens pequenino onde havia muito amor, muita dependência uns dos outros, sinceridade, precisávamos uns dos outros e havia uma grande harmonia onde sentíamos o amor de Deus muito próximo, apesar de sermos poucos mas, como diz na palavra de Deus, “Onde estiverem dois ou três reunidos, no Meu nome, aí está o Senhor no nosso meio.”. Foram experiências maravilhosas e marcantes que eu vi entre os jovens!

O meu desejo é que, através desta juventude, Deus possa alcançar muitos mais jovens que estão perdidos, em tantos vícios.

 

Judite Ramalho, BSteen Novembro 2002