Vendo o Senhor de perto

02-04-2010 21:57

Quando a turma da BSTEEN participou na noite Trazpaz, tive oportunidade de partilhar uma mensagem e achei que seria boa ideia, trazê-la aqui para vocês.

Ela baseia-se na visão do profeta Isaías capítulo seis, versículos um a três:"No ano em que morreu o rei Uzias, eu vi também ao Senhor assentado sobre um alto e sublime trono; e o seu séquito enchia o templo. Serafins estavam por cima dele; cada um tinha seis asas; com duas cobriam os seus rostos, e com duas cobriam os seus pés, e com duas voavam. E clamavam uns aos outros, dizendo: Santo, Santo, Santo é o SENHOR dos Exércitos; toda a terra está cheia da sua glória."

Quantas vezes o profeta entrou no templo, antes daquele dia inesquecível em que deu de caras com o Senhor? Quantas vezes ele tentou buscar mais a Deus e mais de Deus?

Para trás, ficam cinco capítulos onde é evidente a revelação de Deus, e se denota claramente um contacto do profeta com o Senhor. Mas porque só aqui, Isaías enfatiza que realmente viu o Senhor?

O ministério de Isaías estendeu-se por 40 anos durante o reinado de cinco reis. Nenhum deles no entanto, foi tão importante quanto o seu primo Uzias. Agora, quando o rei que ocupava um espaço tão importante na sua vida deixou de viver… Ele viu a Deus com toda a clareza!

São situações como esta que nos trazem de volta a questão: o que me impede de ver a Deus com os meus olhos da fé, ou sentir a sua presença pelo poder do Seu Espírito Santo? Quem, ou o quê está ocupando um lugar tão importante na minha vida, que não me deixa penetrar no sobrenatural? 

Quem tem a soberania da nossa vida? Se não for Deus, outra pessoa ou outra coisa será. Mas no plano de Deus não existe espaço para mais do que um rei. Com o desaparecimento do rei, Isaías sentia-se desamparado. Surge então o momento: - “Vi o Senhor...” Quantos momentos já estivera ali, sem nunca no entanto ter experimentado visão daquelas? Se calhar só tinha visto a liturgia dos sacerdotes e o fumo das lâmpadas do candeeiro, mas agora ele estava vendo mais além da fumaça.

Muitas vezes o culto para ti, é só fumaça: a pregação, o louvor, os amigos... É importante que o rei nas nossas outras buscas morra, para que caia o véu que não deixa experimentar verdadeiramente a presença d’Ele!

 

Carlos Baptista (1957-2007), BSteen Fevereiro 2004