‘Tou diferente!

02-02-2010 21:49

Algumas vezes damos connosco a olhar demoradamente o espelho. É uma borbulha que aprece aqui, uns pelos a mais ou a menos acolá, uma mancha, uma sombra, e vamos notando mudanças no rosto que nos envaidecem se ficamos mais bonitos, ou enervam se nos prejudicam a imagem.

Mas não são apenas mudanças no rosto que preocupam. Há uma altura na vida em que aparecem alterações em todo o corpo, na voz, no ânimo, no apetite, no sono, nos gostos e nos desejos. Muitos dos que me lêem agora, entendem do que estamos a falar.

Em mudança estão também as preferências, as opiniões e os pensamentos e é em relação a estes que eu acho que se levantam grandes questões:

  • As coisas acerca de Deus que foram ensinadas nos anos meninos da Escola Dominical, têm agora o mesmo valor, quando se levantam questões existenciais?
  • A vontade de frequentar a igreja cresce ou diminui à medida que surgem outros desafios ou propostas?
  • O baptismo nas águas é uma atitude de continuidade religiosa ou afirmação pessoal de compromisso com Deus?
  • O baptismo com o Espirito Santo é sinónimo de transe emocional ou é mesmo uma experiência sobrenatural que dinamiza a  vida espiritual?
  • O céu e o inferno são argumentos míticos ou o real destino dos justos e dos pecadores?
  • E uma vida de santificação é apenas tema de pregação de dDomingo, ou um compromisso sério que não podemos deixar de assumir para Deus?

As respostas que se tem para estas perguntas, determinam a resistência espiritual e a permanência na fé. Quanto a mim as melhores respostas encontrei-as na Bíblia e na teimosia de querer ser seguidor de Cristo e por isso é que ainda por aqui ando.

Deus não se zanga com todas as perguntas que possamos fazer. Mas talvez não fique muito satisfeito quando essas perguntas determinam mudanças profundas nossa atitude para com Ele. Não é nada do Seu agrado que em resultado das nossas questões existenciais, passemos a uma postura de desinteresse ou afastamento.

A nossa relação com Deus está na base da fé e o autor da epístola aos Hebreus no capítulo onze, versículo seis diz: "Ora, sem fé é impossível agradar a Deus; porque é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe, e que é galardoador dos que o buscam."

Por isso é natural que não haja resposta para tudo, mas importante é fazer da fé uma corda que nos prende a Deus e que não nos deixa duvidar nas coisas que não entendemos.

Carlos Baptista (1957-2007), BSteen Janeiro 2004