Ai, os meus pais!

10-03-2010 00:19

A relação que tenho com os meus pais é boa mas não nego que às vezes me chateio com eles quando me obrigam a ir às compras ou a levantar cedo…

No dia-a-dia não lhes conto todos os pormenores da minha vida, falo só das coisas boas, as más tento adiá-las ao máximo para ganhar coragem. Tenho visto, porém, que não dá muito resultado fazê-lo. Fico sempre a pensar nisso. (Quando é que digo? Qual o melhor momento?).

Tenho aprendido que mentir-lhes nunca me levou a lado nenhum, só piorou as coisas… eles acabavam sempre por me descobrir. Parecia inacreditável, mas eles descobriam tudo o que eu tentava ocultar. Creio que Deus assim permitiu para que eu pudesse aprender com esses erros de um modo eficaz.

Aprendi também que nem sempre tenho razão, principalmente nas situações em que estou convencidíssima disso. Muitas vezes o meu orgulho não me deixa lembrar que os meus pais já passaram pela minha idade, por situações semelhantes às minhas e depois acabo por levar a minha “razão” avante para vir a sofrer as consequências mais tarde.

De quem é a culpa? Somente minha, porque os meus pais, apesar de tudo, não deixam de me aconselhar e mostrar a sua opinião, eu é que não sei dar ouvidos. Depois do erro acabo por admitir que eles estavam certos.

Deveria ter lido Provérbios 23:22 “Ouve o teu pai que te gerou e não desprezes a tua mãe quando vier a envelhecer” em vez de fazer tudo à minha maneira.

É claro que nem sempre os meus pais agem correctamente para comigo, seja como for sei que devo ouvi-los e respeitá-los, caso contrário Deus não me daria um mandamento sobre isso: “Honra o teu pai e a tua mãe como o Senhor teu Deus te ordenou…” Deuteronómio 5:16

 Às vezes penso nas responsabilidades que eles têm e chego à conclusão que nem sempre é fácil trazer um salário certo para sustentar a família, nem sempre é fácil vir bem disposto(a) do emprego, nem sempre é fácil ter tempo para o que mais se aprecia.

No entanto, eles esforçam-se para me dar o melhor que conseguem. Podem ser muito autoritários, inseguros, receosos, controladores mas também ninguém lhes ensinou sobre paternidade, o que aprenderam veio da sua própria experiência de filhos.

O que eu sei é que eles precisam do meu amor, do meu reconhecimento pelo cuidado que têm tido para comigo e eu deveria esforçar-me mais por isso.

Podes estar a pensar que a tua situação é bem diferente, que os teus pais já não vivem na mesma casa, ou que o ambiente familiar é muito mau. Se assim for, deves orar pelas suas vidas e esperar em Deus porque Ele é fiel e estará sempre disponível para te ouvir e ajudar. “Lança o teu cuidado sobre o Senhor e ele te susterá, nunca permitirá que o justo seja abalado.” Salmos 55: 22

 

Miriam Vicente, BSteen Novembro 2004